Motiva - A Escola das Grandes Conquistas
Notícias

Saúde da visão e inclusão social de pessoas cegas foram temas palestras para alunos do Motiva

A saúde do olho humano e a forma como as pessoas com deficiência visual enxergam o mundo foram os assuntos abordados com os alunos dos 2º anos do Ensino Fundamental I, do Colégio Motiva, que integram o projeto ‘Como Enxergamos o Mundo ao Nosso Redor’. A abordagem desses temas aconteceu na última sexta-feira (11), quando os alunos receberam as visitas da médica oftalmologista Sarah Menezes e de professoras e alunos do Instituto dos Cegos de Campina Grande, dentro da programação de estudos para a o projeto, que será apresentado na XVIII Semana de Artes, Cultura e Ciência (SACC) da escola.

Esse momento de troca de conhecimentos aconteceu no Teatro Ariano Suassuna, na unidade do Motiva Jardim Ambiental, no bairro do Catolé, em Campina Grande. Em um primeiro instante, a oftalmologista Sarah Menezes ministrou uma palestra para os alunos sobre o olho humano, abordando a sua complexidade e os cuidados que devem ser tomados com a saúde da visão. Já no segundo momento, membros do Instituto dos Cegos apresentaram o trabalho da instituição.

Na ocasião, os alunos puderam tirar dúvidas sobre a saúde da visão e conhecer como outras crianças, com deficiência visual, são estimuladas a fazerem suas atividades diárias, como estudar e brincar.

Alguns alunos dos 2º anos também participaram de um momento em que ficaram com os olhos vendados durante a contação da história de “Chapeuzinho Vermelho”, interpretada por membros do instituto. O intuito foi fazer com que as crianças vivenciassem, por alguns minutos, a magia da leitura, na perspectiva das pessoas cegas.

O sistema Braille também foi apresentado aos alunos, o que, além de instigar a curiosidade deles, também fez com que eles refletissem sobre a temática da inclusão das pessoas com deficiência visual. “Eu achei tudo muito legal. A gente aprendeu bastante e viu que os cegos podem fazer o tudo o que a gente que enxerga faz. Eles leem e estudam com o Braille, fazem natação, jogam bola e várias outras coisas legais” comentou entusiasmada a aluna Amanda Silveira, 7 anos, do 2ª ano A.